O blog tem o intuito de divulgar notícias, eventos e trabalhos científicos na área de Odontologia, além de contribuir para a discussão de casos clínicos e troca de experiências entre os profissionais interessados nas áreas de Periodontia e Implantodontia. Assim, contamos com a participação de todos para tornarmos este blog um ponto de encontro e de crescimento profissional.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

UM FELIZ 2012


O nosso caminho é feito
Pelos nossos próprios passos...
Mas a beleza da caminhada...
Depende dos que vão conosco!

Assim, neste NOVO ANO que se inicia
Possamos caminhar mais e mais juntos...
Em busca de um mundo melhor, cheio de PAZ,
SAUDE, COMPREENSÃO e MUITO AMOR.

O ano se finda e tão logo o outro se inicia...
E neste ciclo do "ir" e "vir"
O tempo passa... E como passa!
Os anos se esvaem...
E nem sempre estamos atentos ao que
Realmente importa.

Deixe a vida fluir
E perceba entre tantas exigências do cotidiano...
O que é indispensável para você!
Ponha de lado o passado e até mesmo o presente!

E crie uma nova vida... Um novo dia...
Um novo ano que ora se inicia!
Crie um novo quadro para você!
Crie, parte por parte... Em sua mente...
Até que tenha um quadro perfeito  para o futuro...

Que está logo além do presente.
E assim dê início a uma nova jornada!
Que o levará a uma nova vida, a um novo lar...
E aos novos progressos na vida!
Você logo verá esta realidade, e assim encontrará
A maior felicidade e Recompensa...

Que o ANO NOVO renova nossas esperanças,
E que a estrela crística resplandeça em nossas vidas
E o fulgor dos nossos corações unidos intensifique
A manifestação de um ANO NOVO repleto de vitórias!
E que o resplendor dessa chama

Seja como a tocha que ilumina nossos caminhos
Para a construção de um futuro, repleto de alegrias!
E assim tenhamos um mundo melhor!
A todos vocês companheiros (as) que temos o mesmo ideal,
Amigos (as) que já fazem parte da minha vida,
Desejo que as experiências próximas de um ANO NOVO
Lhes sejam construtivas, saudáveis e harmoniosas.
Muita Paz em seu contínuo despertar!
"UM FELIZ 2012"
Fonte: http://www.belasmensagens.com.br/anonovo/feliz-ano-novo-aos-amigos-1441.html

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Reconstrução de Maxila Atrófica com Osso Autógeno da Crista Ilíaca

panorâmica pré- operatório
remoção do enxerto

levantamento da membrana do seio esquerdo

levantamento do seio direito



                                                                          osso do iliaco





                                                                        maxila atrofica





                                              fixação dos parafusos de fixação dos enxertos



sutura


                                                   Tc pós- operatório de 6 meses




                                                remoção dos parafusos de fixação dos enxertos




                                                                    guia cirurgico





                                                                colocação dos implantes





                                                                             sutura






SPO 2010 - Nova visão em Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares

Sugestão de livro

Autor: Flávio Augusto Cotrim-Ferreira / Vanda Beatriz T. C. Domingos
Ediçao: 17a / 2010
Número de páginas: 528

Em sua 17ª edição, este gigantesco encontro de especialistas - o Congresso Brasileiro de Ortodontia - promove o intercâmbio cultural, estimula a divulgação de pesquisas, fomenta o emprego de novos materiais e equipamentos, além de motivar a reunião e a amizade entre os colegas.
E com ele surge mais uma vez a oportunidade de publicar a obra Nova Visão em Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares, que retrata, em termos clínicos e científicos, o extraordinário estágio de amadurecimento da Ortodontia.
A expectativa para esta edição é de muitas novidades, permitindo a todos os leitores terem como meta o aprimoramento constante e aproveitarem ao máximo os capítulos aqui contidos, repletos de temas atuais, escritos por renomados profissionais do ensino e da prática clínica de excelência.


terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Inflamação e reparo - um sílabo para a compreensão clínica e implicações terapêuticas

Sugestão de livro

Autor: Alberto Consolaro
Ediçao: 1a / 2009
Número de páginas: 352

Este livro foi escrito para pessoas que:
- Precisam compreender a inflamação e a reparação a partir de um texto simples e de terminologia clara.
- Querem fundamentar, objetivamente, a prática clínica e a terapêutica medicamentosa com clareza e, ao mesmo tempo, profundidade de conhecimento


sábado, 24 de dezembro de 2011

Anatomia aplicada à implantodontia


SUGESTÕES DE LIVROS



Autor: Emerson A. Sgrott & Rafael S. Moreira
Ediçao: 1a / 2010
Número de páginas: 312

Primeira obra nacional que aborda com detalhes as estruturas anatômicas aplicadas à prática da implantodontia. É amplamente ilustrado com imagens de alta qualidade e inéditas, selecionadas por especialistas em cirurgia e anatomistas. A anatomia da cavidade oral (óssea, vascular e nervosa) descrita de maneira aplicada para alertar o cirurgião dos possíveis obstáculos durante uma cirurgia, mostra detalhes anatômicos vistos sob o ponto de vista de especialistas em implantodontia e anatomistas, além da anatomia natural, o livro aborda extensivamente a anatomia da maxila e da mandíbula após a perda óssea; alterações estruturais e funcionais que dificultam o planejamento cirúrgico.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Reconstrução da maxila com enxerto da calota craniana


Radiografia panorâmica

espessura da calota

Incisão

osteotomia

incisão na maxila atrófica

incisão na maxila atrófica

Enxerto triturado



Enxerto triturado

Levantamento de seio maxilar

fixação de fragmento

Sutura

Pós-operatório de 30 dias


pós-operatório da área doadora


quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Raspagem e Alisamento Corono Radicular.



Entrevista com o Dr. José Sani Neto

      
        José Sani Neto, formou – se em 1982 pela Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Santa Maria – RS. Em 1984 concluiu o Curso de Especialização em Periodontia pelo Instituto de Odontologia Paulista sob coordenação do Prof. Nelson Thomaz Lascala. Em 1999, pela Universidade Metropolitana de Santos – Unimes, obteve o título de mestre em Fisiologia de Órgãos e Sistemas, com ênfase em Periodontia.
         É atualmente o professor titular da Disciplina de Periodontia da UNIMES, onde leciona há 28 anos e coordenador dos Cursos de Especialização, Atualização e Iniciação cirúrgica em Periodontia, além de professor dos Cursos de Especialização em Implantodontia na UNIMES , e no SENAC -Tiradentes em São Paulo.
           Autor do Atlas de Periodontia da Ed. Atheneu e do capítulo em livro de genicologia e obstetrícia, onde ressalta a importância da Odontologia no contexto geral da gestante, desde os exames pré – natais, até o parto. É ainda co – autor do Atlas de Implantes Cone Morse – da cirurgia à prótese.
         O tema abordado para esta entrevista é a Raspagem e Alisamento Corono Radicular.
1. Qual o motivo da escolha deste tema?

   - Nos dias atuais, onde as técnicas cirúrgicas e os bio-materiais acham – se em constante evolução, observamos em nossos cursos que os alunos cada mais dão ênfase às cirurgias plásticas estéticas e se esquecem ou se desinteressam da base da periodontia que é a higiene oral e a raspagem corono radicular. Esquecem que a raiz deve ser aceita de forma biocompatível com as outras estruturas periodontais, ou seja, isenta de qualquer toxina ou agente patológico, para que ocorra sucesso em qualquer tipo de terapêutica periodontal.

2. Considera então, a raspagem fundamental no processo de cura periodontal ?

    - Sim, primordial em qualquer tipo de intervenção. A raspagem é um procedimento considerado dos mais difíceis na odontologia, e a execução de uma raspagem adequada, demanda tempo, paciência e muitas vezes, repetições do trabalho. O fato de desarranjar a placa, ira produzir inicialmente um aspecto de melhora, porém se não eliminarmos toda carga bacteriológica da raiz, o tratamento estará fadado ao insucesso após um período de tempo.

3. Quais são as grandes dificuldades em se realizar uma raspagem corono radicular?

    - São várias. Podemos citar a dificuldade de acesso em dentes multi – radiculares (o periodontista que afirmar que raspou 100% a região de furca, pode ser considerado um gênio, ou um mentiroso... e provavelmente a segunda opção seja a mais verdadeira !); a dificuldade de desintoxicar totalmente a raiz, uma vez que trabalhos mostram que se rasparmos 50 vezes a mesma superfície de um dente com um raspador novo e afiado, e com o dente seguro na mão e na posição que desejarmos, ainda encontramos biotoxinas entranhadas nos canalículos dentários. A dificuldade de execução da técnica devido a falta de apoio correto, posicionamento paciente / profissional, instrumentais com corte adequado, qualidade do instrumental, são outros fatores que tornam a raspagem dificultosa.

4. Quando e como utilizamos a raspagem?
     - A raspagem é considerada tratamento por si só em casos de gengivite, ou seja, é o tratamento de escolha associada com as técnicas de higienização. Porém, em relação aos casos onde haverá necessidade de intervenção cirúrgicas, duas filosofias são preconizadas.
         A primeira é que a raspagem deverá ser feita no momento da cirurgia, ou se antes desta, somente como um preparo de boca, onde o paciente muitas vezes nem anestesiado é para a remoção da placa, ou seja, a raspagem é delegada a um segundo plano de importância. No ato cirúrgico é feito o debridamento dos tecidos e a raspagem de raízes, granulação, cálculo, etc . Esta filosofia esta embasada na época em que não se conhecia a importância da carga bacteriológica da placa bacteriana, e sobrevive até os dias atuais, sendo inclusive adotada por grandes escolas de odontologia.
           A segunda teoria, seguindo os conceitos de Glickman e Waerhaug, segue a idéia da remoção total da placa bacteriana antes dos procedimentos cirúrgicos.
          Pessoalmente, sou frontalmente conta a primeira teoria de associar a raspagem com a cirurgia. Acho que a raspagem feita antes da cirurgia, fundamental em vários aspectos: Primeiro por diminuir a carga viral e as chances de se introduzir microorganismos na corrente sanguínea, evitando – se assim bacteremias; segundo, no momento da cirurgia você encontrará um organismo em processo de reparação e regeneração, uma vez que o agente agressor foi eliminado anteriormente na sua maior porção. Com isto teremos um ato cirúrgico menos sangrento, menor tempo operatório, pois o organismo estando menos infectado apresentará menor infiltrado inflamatório e menor quantidade de granulação, melhor pós operatório, melhor cicatrização e conforto ao paciente. Outra vantagem, é que pelo fato dos tecidos estarem menos edemaciados, o prognóstico será mais preciso e com maior previsibilidade de resultados.
         Obviamente quando realizamos um retalho, um deslocamento, um enxerto, realizamos também a raspagem no ato cirúrgico, mas em melhores condições fisiológicas do que se deixarmos para fazermos tudo em uma única sessão.
         Portanto, no meu conceito acho a raspagem mais importante do que qualquer intervenção cirúrgica. Vários casos ocorrem em pacientes que se faz o planejamento cirúrgico, e muitas vezes, apenas com a raspagem, questionamos a necessidade ou não de se operar o paciente, devido a respostas excelentes do organismo frente a raspagem.
        Novas teorias estão sendo discutidas sobre a eficácia da raspagem em lesões periodontais. Países escandinavos praticamente aboliram as cirurgias regenerativas, e executam várias sessões de raspagem, eliminando assim a bolsa periodontal. Lógico que a educação e o preparo cultural da população é fundamental, pois requer uma maior demanda de tempo para a realização deste tipo de conceito. Muitas vezes um mesmo dente é raspado mais de 5 a 6 vezes, para a total eliminação do agente causal.

5. No seu parecer, qual o grau de relevância deveria ser dada à raspagem nos cursos de pós graduação?

        - Acho que a técnica de raspagem deve ocupar pelo menos 1/3 do tempo de curso. O aluno deve ser treinado, aprimorado e passar a enxergar os belos resultados que são obtidos pela raspagem. O aluno que não sabe raspar não deve ser autorizado a iniciar os procedimentos cirúrgicos, pois suas cirurgias estarão fadadas ao insucesso se a área não estiver isenta do biofilme dental. Acho que as técnicas cirúrgicas podem ser consideradas fáceis comparadas com a técnica de raspagem. Um querido amigo e colega falava que, operar, qualquer macaco treinado opera. Os resultados obtidos por ele apenas com raspagem eram magníficos.
         Trabalhos provam que profissionais altamente capacitados e treinados eliminam até 75 % de placa e deixam 25%, enquanto que outros bons profissionais eliminam até 25 % e deixam 75 % da placa. Com isto vemos a dificuldade que é a realização de uma boa raspagem corono radicular.
           Portanto, é fundamental que os colegas que ensinam voltem suas atenções a as de seus alunos para a importância de se saber raspar bem. Muitas cirurgias seriam evitadas, e muitas outras seriam bem realizadas. O índice de recidiva seria muito menor. Tanto que caiu por terra o conceito de periodontite refratária. Descobriu – se que refratária era na realidade, cirurgia mal realizada.

6. E por falar em cursos, qual a programação para 2012?

           - Em 2012, estaremos pelo décimo oitavo ano consecutivo abrindo uma nova turma de especialização, com promoções especiais por ser uma data comemorativa de “maior idade”. As inscrições poderão ser realizadas através do Centro de Especializações da UNIMES. Vale ressaltar que nosso curso tem a aprovação e reconhecimento do C.F.O.   Ainda estaremos com dois cursos de iniciação cirúrgica. Um será voltado exclusivamente aos alunos e ex-alunos da especialização de implantodontia, que enxergaram a necessidade da periodontia no dia a dia da implantodontia, e outro aberto a profissionais e alunos que forma aprovados na periodontia e estão cursando o último ano de odontologia. E, finalmente abriremos uma turma de Atualização em periodontia, onde novos conceitos são revistos, desde a parte básica, até a face cirúrgicas.
          Agradeço a disponibilização do espaço em seu BLOG, continuamos a nos comunicar via GRUPO PERIOIMPLANTITE ON-LINE. Desejo a todos um novo ano repleto de sucesso, desde que os casos sejam bem raspados.

Grande abraço.
 CONTATO: 
Site

E-mail
  • jsani@uol.com.br


quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

II Encontro Regional de Osseointegração (ERO)







     O II ERO promovido pela AON – Associação de Osseointegração do Nordeste, acontecerá em Salvador-BA, no período de 24 a 26 de Maio de 2012, no Hotel Pestana. O Congresso tem como tema central "Evidência Científica em Osseointegração – Paradigmas e Desafios".
     Este importante evento, formatado para receber 500 congressistas, reune especialistas, professores, clínicos e acadêmicos, interessados nas áreas de Implantodontia, Periodontia, Prótese e Cirurgia buco-maxilo-facial, e suas relações com as demais áreas da saúde.
     Permite ainda, efetuar intensa divulgação dos avanços tecnológicos do setor, criando oportunidades para que a indústria e o comércio odontológicos, do Brasil e Exterior, possam mostrar o desenvolvimento de novos produtos e serviços.
    Além disso, é mais uma oportunidade para rever a capital da magia e alegria do Brasil: a cidade de  Salvador.


http://www.aonordeste.com.br/

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Restauração Dentoalveolar Imediata - Implantes com carga imediata em alvéolos comprometidos

Sugestão de livro





Autor: José Carlos Martins da Rosa / Cols
Ediçao: 1a / 2010
Número de páginas: 349
Formato: 23,8 x 32 cm
Editora: Santos
ISBN: 9788572888561





A Restauração Dentoalveolar Imediata (RDI) é um técnica que amplia a indicação da carga imediata em dentes individuais. Por seu intermédio, perdas teciduais de pequeno, médio e grande portes são reconstruídas no mesmo ato cirúrgico da instalação do implante e confecção da coroa provisória, reduzindo o número de intervenções e aumentando a previsibilidade estética.



Este livro aborda temas relacionados á técnica, tais como a carga imediata, a tuberosidade maxilar, como área doadora de enxertos, e a anatomia correta da coroa provisória, como fator essencial para a manutenção do perfil de emergência. O protocolo da RDI, que preconiza procedimentos pouco invasivos, sem elevação de retalhos, é apresentado como uma possibilidade concreta e reproduzível. O passo a passo da técnica é explicado e exemplificado através de casos clínicos com diferentes graus de complexidade, os quais possuem evidências clínicas, radiográficas e tomográficas de seus resultados.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Aula de Fotografia para Odontologia – Parte 4

Dando continuidade ao quadro de entrevista Dr. Christian Rado Jarry vai dar uma aula de fotografia. Dr Christian é especialista em Implantodontia, mestrando em Periodontia, Coordenador do Curso de Aperfeiçoamento em Implantodontia, Professor do Curso de Especialização em Implantodontia.












PROTOCOLO IDEAL
 PRÉ CIRURGICO E DOCUMENTAÇÃO ORTODÔNTICA




Lateral Direita                     Frontal                  Lateral Esquerda


Oclusal Superior                                 Oclusal Inferior


       Frente                                   Perfil                            Sorriso




PRÓTESE E DENTÍSTICA



   As especialidade da Prótese e Dentística, possuem em comum o envolvimento de detalhes em todo o processo de seu trabalho.   Nessas especialidade, costuma-se ter tomadas fotográficas que envolvam pequenos grupos de dentes para dar ênfase ao assunto principal, como por exemplo um preparo protético ou de cavidades,  acentamento de peças protéticas, teste de cores em porcelanas, etc.  
   Como os tratamentos odontológicos na sua maioria tem o envolvimento de “antes e depois”, é recomendado que mesmo que se tenha diversas tomadas fotográficas em diferentes ângulos, se realize os mesmo ângulo,  para os “antes” e para os “depois” para que se tenha um padrão de comparação.


Quando o trabalho envolve elementos anteriores, é recomendado a utilização de espelhos de contrasta para dar ênfase ao trabalho executado e não dispersar o olhar de quem vê a imagem para áreas que ficam em segundo plano como a língua, que frequentemente observamos em fotografias odontológicas.
                         sem espelho de contrate                   com espelho de contraste




Na imagem acima vemos a correta utilização do espelho de contraste.  Neste tomada utiliza-se afastadores frontais ou o “expandex” e o espelho é inserido na cavidade oral inclinadamente em 45˚ para bloquear a interferência da língua e dar mais ênfase aos dentes anteriores.  Na página ** será demonstrado todas as opções  de espelhos de contraste.



CIRURGIA BUCO MAXILO e IMPLANTODONTIA


       Essas especialidades lidam com pequenas estruturas que já oferecem difícil visualização em sí para quem está operando.  Para a realização de fotografias de leitos cirúrgicos é imprescindível que o cirurgião já conte com alguns acessórios previamente esterilizados para promover um correto afastamento e visualização de estruturas.
   Em cirurgias do tipo protocolo de carga imediata em que há uma reabilitação total.  É recomendado que se fotografe com espelhos oclusais, principalmente o arco superior onde uma tomada fotográfica direta, normalmente conta com interferência dos dentes e lábio inferior comprometendo a visualização oclusal. É comum também fotografias frontais para esse tipo de cirurgia.  Outro fator a ser considerado em cirurgias é a presença de sangue e saliva. O auxiliar deve estar bem atento quanto sua aspiração para que se possa observar a estrutura mais limpa possível.
    Fresagens e instalações de implantes unitários normalmente observamos na literatura um consenso de tomadas fotográficas onde o tipo de fresa, seu comprimento, bem como o leito preparado por ela é registrado. Em seguida fotografa-se o implante fora da embalagem, sendo inserido em seu leito e em seu posicionamento final.





ESTRUTURAS SEM PADRÃO

     É muito comum fotografias de estruturas que não tenham um padrão definido, principalmente na área de cirurgia.  Elementos que sofreram exodontia, lesões teciduais, óssos para enxertia, faixa conjuntiva para a Periodontia, são exemplos de estruturas que se não houver uma referência métrica ao lado da estrutura, fica difícil para o leitor “imaginar” o seu tamanho.   Sem referência, uma estrutura de 10mm ou de 30mm podem parecer do mesmo tamanho para quem apenas vê a fotografia sem ter participado do procedimento clínico.
    Ainda que não haja uma régua no momento, utilize qualquer instrumento que possa ser do dia a dia do cirurgião dentista e que possa transmitir paralelamente noções de tamanhos.   Vamos aos exemplos:


FOTOGRAFANDO RADIOGRAFIAS
       
      Fotografar radiografia é um momento que gera muita dúvida para o clínico.   A maioria das câmeras fotográficas possuem uma programação que inibe a função “flash” mesmo em ambientes escuros. E esta é a forma mais adequada de se realizar este tipo de fotografia, desde que a radiografia esteja devidamente posicionada em um negatoscópio. 
       Em função da radiografia ser plana e não termos nenhuma preocupação com profundidades de campo, o foco deve estar no automático para uma melhor leitura da distância do objeto pela câmera.  Em ambientes escuros a câmera tende a escolher uma velocidade do obturador mais baixa, com isso o fotografo deve manter-se o mais firme possível para evitar movimentações, gerando  assim uma imagem borrada.  Caso seja um problema para você, recomendo a utilização de um tripé.







TRABALHOS PROTÉTICOS E MODELOS DE GESSO



   Atualmente 95% dos clínicos que realizam fotografias de seus trabalhos protéticos, apenas os colocam sobre uma bancada e fazem a fotografia.    É muito comum vermos fotografias de trabalhos protéticos que ao fundo, mesmo que desfocado tem caixa de luva, amalgamador, frasco de Periogard, etc.  Desta forma quem está vendo a imagem, mesmo que involuntariamente visualiza o trabalho protético e tenta “desvendar”o tal objeto desfocado ao fundo.

Uma solução simples, barata e extremamente eficaz é ter a mão um pedaço de tecido preto fosco ( ex.: elanca). e uma tira de fita crepe.    Prenda-o na parede de forma que ele fique meio a meio na parede e sobre a bancada.  Pronto, seu estúdio está feito!   Agora é só colocar seus trabalhos sobre o tecido e fotografar por todos os ângulos possíveis.



Observe como o fundo preto faz com que as demais cores tenham mais ênfase e podemos assim, prestar mais atenção na área de interesse sem dispersão de atenção.



LEGALIDADE DAS IMAGENS DIGITAIS





   As imagens digitais tem sua credibilidade sempre colocada em questão por ser facilmente manipulável. Porém quando uma imagem digital é manipulada, um perito criminal pode facilmente localizar as alterações e detectar fraudes.  O Brasil evoluiu muito no que diz respeito a tecnologia digital a nos trás como prova de segurança, seu próprio sistema eleitoral; tecnologia digital essa que tem sido usada como modelo por diversos países.

    Por menor que seja, é comum fotografias odontológicas precisarem de otimizações, como por exemplo para fechar enquadramento, desinclinar uma imagem,  clarear uma imagem que saiu com subexposição, etc.   Porém para o judiciário,  basta um simples retoque para se caracterizar “manipulação”.

     O ideal é que ao descarregar as imagens de sua câmera ao computador, organize-as em pastas seja por datas, seja por paciente, como originais para fins legais ( ex.: Pedro Toledo - ORIGINAIS ).  Caso algo ocorra e precise do auxilio de fotografias para uma eventual ação na justiça, mesmo que escura, ou com enquadramento deficiente, são as originais que deverão ser apresentadas.       Após salvar as imagens originais,  faça uma segunda pasta como o mesmo título porém com a adenda “otimizadas”( ex.: Pedro Toledo - OTIMIZADAS ).  As imagens desta pasta sim você pode retocar o quanto achar que for necessário.

Pedro Toledo

   Pasta  Originais
ORIGINAIS : Mesmo que inclinadas, salve-as assim  mesmo


Pedro Toledo
 Pasta Otimizadas           
OTIMIZADAS: “Conserte” o quanto quiser e salve-a nesta pasta




Bibliografia :
                  Autorizização do uso de imagens - OBRIGATÓRIO



        De nada serve um bom equipamento fotográfico e  imagens originais salvas tão caprichosamente, se o paciente não autorizou previamente a realização e o uso dessas imagens.  Independentemente de quão bem feita esta fotografia realizada, se não houver a autorização escrita do paciente, de cara ela será eliminada como qualquer tipo de prova a seu favor.

         Abaixo está um modelo de autorização de direito de imagem para odontologia.:



      “Eu,__________ autorizo  a realização de fotografias, radiografias e modelos de minhas arcadas dentárias, bem como sua utilização para fins legais. Autorizo também desde que minha identidade seja mantida em sigilo, a divulgação em trabalhos científicos, publição em revistas científicas, congressos e seminários “

Brasília, 25 de Dezembro de 2011

POLUIÇÃO NA IMAGEM

   Imagine uma situação onde uma pessoa está parada de um lado da rua e você com a câmera do outro lado. No instante do click, um carro passa bem na frente. Mesmo passando rápido, ficou um pedacinho da traseira dele na foto.   Por menor que seja o pedacinho do carro na fotografia, os olhos de quem a vê não consegue parar de prestar  atenção mais na traseira do carro, do que na pessoa que estava posando para a foto.  A traseira do carro é chamada de poluição de imagem, mesmo tendo diversos fatores na fotografia como um poste, uma casa ao fundo, nada rouba a atenção, mas a traseira do carro rouba.
   A situação acima, é uma analogia a itens em um procedimento que não devem fazer parte de uma fotografia como sugador, luva, sangue demasiado, saliva, etc.  Embora fotografias transcirúrgicas devam parecer “fotojornalismo”, ou seja, deve parecer que o fotógrafo está apenas registrando a situação sem qualquer influência, na prática não é bem assim.  Toda fotografia odontológica, por mais simples que seja, tem que ter uma pequena produção como estar bem afastada, aspirar saliva, sangue e tentar ao máximo excluir do enquadramento tudo que possa desviar o olhar de que vê a imagem.
   Quando a poluição está nos bordos da imagem, como usualmente se vê com sugadores por exemplo, pode-se tentar corrigi-la  fazendo um recorte da imagem com programas de edição de imagens. Porém quando a poluição é no centro da imagem como saliva sobre um dente preparado de prótese, por exemplo, infelizmente a única opção é realizar uma nova tomada fotográfica.







 
Acima vemos exemplos como saliva na fotografia lateral, afastamento e iluminação deficiente, bolhas de sangue, dedo na frente de sutura, arco oposto atrapalhando a visualização da fotografia oclusal. Estes são exemplos de erros comuns que os clínicos costumas realizar.

Aperfeiçoamento em implantodontia na S.LMandic Brasília terá início em abril/ 2012-coordenador Prof Christian Rado Jarry



Contato:jarry.odontologia@yahoo.com.br

 FOTOGRAFIA DIGITAL NA CLÍNICA DIÁRIA
e-book Jubileu de Ouro - CIOSP
Mario Masioli, Deise Lima Cunha Masioli, Wagner Quaresma Damasio
      1 - QUADRO-  Pequenas estruturas se tornam mais interessantes com enquadramento mais fechado.
      2-  QUADRO- Janela demarcada, membrana elevada e cavidade preenchida com biomaterial.
     3- QUADRO- Demarcação da área doadora, delimitação do bloco, blocos fixados e sutura pronta.Vemos a importância de padronizar as tomadas tentando utilizar os mesmo ângulos para haver um melhor entendimento da sequência cirúrgica por quem vê apenas as imagens.